PENSAMENTOS E LIÇÕES DE VIDA, A VOZ DA EXPERIENCIA



Ouvindo a voz da experiência...
E você, como tem encarado a vida?
Escrito por Regina Brett, 90 anos de idade,
em The Plain Dealer, 
Cleveland, Ohio:

“Para celebrar o meu envelhecimento, certo dia eu escrevi as 45 lições que
a vida me ensinou. É a coluna mais solicitada que eu já escrevi.
Meu hodômetro passou dos 90 em agosto, portanto aqui vai a coluna mais uma vez: "
1. A vida não é justa, mas ainda é boa.
2. Quando estiver em dúvida dê, somente, o próximo passo, pequeno.
3. A vida é muito curta para desperdiçá-la odiando alguém.
4. Seu trabalho não cuidará de você quando você ficar doente. 
Seus amigos e familiares cuidarão.
5. Pague mensalmente seus cartões de crédito.
6. Você não tem que ganhar todas às vezes. Concorde em discordar.
7. Chore com alguém. Cura melhor do que chorar sozinho.
8. É bom ficar bravo com Deus. Ele pode suportar isso.
9. Economize para a aposentadoria começando com seu primeiro salário.
10. Quanto a chocolate, é inútil resistir.
11. Faça as pazes com seu passado, assim ele não atrapalha o presente.
12. É bom deixar suas crianças verem que você chora.
13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem idéia do que é a jornada deles.
14. Se um relacionamento tiver que ser um segredo, você não deveria entrar nele.
15. Tudo pode mudar num piscar de olhos. Mas não se preocupe; Deus nunca pisca.
16. Respire fundo. Isso acalma a mente.
17. Livre-se de qualquer coisa que não seja útil, bonito ou alegre.
18. Qualquer coisa que não o matar o tornará realmente mais forte.
19. Nunca é muito tarde para ter uma infância feliz.
Mas a segunda vez é por sua conta e ninguém mais.
20. Quando se trata do que você ama na vida, não aceite um não como resposta.
21. Acenda as velas, use os lençóis bonitos, use lingerie chic.
Não guarde isto para uma ocasião especial. Hoje é especial.
22. Prepare-se mais do que o necessário, depois siga com o fluxo.
23. Seja excêntrica agora. Não espere pela velhice para vestir roxo.
24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.
25. Ninguém mais é responsável pela sua felicidade, somente você.
26. Enquadre todos os assim chamados "desastres" com estas palavras:
'Em cinco anos, isto importará?'
27. Sempre escolha a vida.
28. Perdoe tudo de todo mundo.
29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.
30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo ao tempo.
31. Não importa quão boa ou ruim é uma situação, ela mudará.
32. Não se leve muito a sério. Ninguém faz isso.
33. Acredite em milagres.
34. Deus ama você porque ele é Deus, não por causa de qualquer coisa que
você fez ou não fez.
35. Não faça auditoria na vida. Destaque-se e aproveite-a ao máximo agora.
36. Envelhecer ganha da alternativa -- morrer jovem.
37. Suas crianças têm apenas uma infância.
38. Tudo que verdadeiramente importa no final é que você amou.
39. Saia de casa todos os dias. Os milagres estão esperando em todos os lugares.
40. Se todos nós colocássemos nossos problemas em uma pilha e víssemos
todos os outros como eles são, nós pegaríamos nossos mesmos problemas de volta.
41. A inveja é uma perda de tempo. Você já tem tudo o que precisa.
42. O melhor ainda está por vir.
43. Não importa como você se sente, levante-se, se vista bem e apareça.
44. Produza!
45. A vida não está amarrada com um laço, mas ainda é um presente.
E você, como tem encarado a vida?



Escolhas e resultados.
Na juventude é muito comum que os jovens estejam perdidos, sem saber o que querem, para onde estão
caminhando e com qual objetivo de vida. Escolher a própria profissão é um dilema para
os pré-vestibulandos e para muitos que inclusive já passaram dessa fase, mas não se encontraram
na profissão que escolheram.
Alguns abandonam o curso e retornam aos cursinhos em busca de outra opção, mas alguns,
mesmo percebendo o erro já na faculdade permanecem onde já estão e acabam, por esse motivo,
perdendo a oportunidade de um futuro provavelmente bastante promissor se fizessem o que realmente
gostariam de fazer.
Optando pelo mais fácil, pela acomodação, pelo medo de dar um passo atrás e recomeçar,
esses jovens acabam selando assim, para sempre, suas possibilidades de realização profissional.
Muitas coisas podem estar envolvidas no abandono de um curso e a tentativa de entrar em outro,
como a perda de no mínimo um ano, os custos de novas aulas preparatórias e as possibilidades
de suportar financeiramente isso.
Nesse momento, independentemente das dificuldades ou facilidades, começam ser n
otadas as verdadeiras diferenças entre os futuros vencedores, os acomodados e os perdedores,
não importando a educação dada pelos pais, o nível social, econômico e cultural desse jovem,
é das profundezas de seu ser que surgem sua fraqueza ou força, determinação.
Muitos fazem sua escolha pela perspectiva de retorno financeiro e não pela realização profissional,
procurando, dentro daquela opção, uma faculdade menos exigente, que permita sua formatura
com menos estudos, mesmo sabendo que não terá o mesmo preparo daqueles que estudam
muito por terem escolhido faculdades que exigem bastante, mas preparam bem seus alunos.
As consequências para esse grupo puderam ser observadas recentemente,
na última prova da Ordem dos Advogados do Brasil realizada em dezembro de 2010 quando,
de um total de 116 mil inscritos, apenas 9,74% conseguiram ser aprovados e como resultado, 90,23% deles serão
 simplesmente bacharéis, mas não advogados.
Acaba aí o sonho de possuir um grande escritório, advogar para grandes empresas,
por grandes causas e ganhar muito dinheiro. Essa realização fica para aqueles advogados,
médicos, engenheiros ou qualquer outro profissional que anos antes fizeram outra escolha, por
aquelas universidades mais exigentes, tiveram que estudar muito, mas foram contratados antes
 mesmo de terminar o curso.
Algumas crianças já demonstram estilos de comando diante de outras da mesma faixa etária,
ou até mais velhas e nenhuma situação ou obstáculo é capaz de detê-las, pois sempre estão
dispostas a buscar alternativas para conseguir o que almejam. Outras aceitam tudo e participam
do enorme grupo que segue o líder, aceitando todas as determinações deste, sem sequer questionar
os rumos que estão sendo tomados.
A maioria das pessoas normalmente está sempre à deriva e se deixa levar por uma simples brisa,
uma moda, por mais momentânea que seja, mas que esteja sendo bastante utilizada por outros.
Procedem assim com suas roupas, livros que lêem, locais que frequentam e na escolha de suas profissões, sempre seguindo o que a maioria está fazendo.
Com esse comportamento se misturam a todos, falam dos mesmos assuntos, vão aos mesmos lugares e
conhecem as mesmas pessoas, o que facilita sua convivência nesse grupo social, o da grande maioria,
que muitas vezes faz gozações com os que não estão naquela festa por estarem estudando.
Aqueles que se desviam da rota, se envolvem com assuntos diversos que sempre estão ao nosso lado,
costumam se perder e normalmente não conseguem reencontrar o caminho que os levaria ao sucesso.
Não se alcança nenhum objetivo com nossos passos sendo dados em uma direção, se a mente está
determinando outro caminho, mudando o rumo.
Os que mantêm em mente objetivo específico que possuem, sabem exatamente o que querem,
lutam incansavelmente por isso, ultrapassam os obstáculos existentes e nada que em algum momento
os desvie do caminho será capaz de evitar que rapidamente retomem a direção para chegar como e
onde pretendem, tornando praticamente certo seu alcance.
Todos nascem com o mesmo poder de escolher, individualmente, como, para onde e quando irão.
A opção de ser um vencedor ou continuar na multidão só depende de você.
João Bosco Leal